Pastore Car Collection

ver filtros
Categorias
Fabricante
Ano
Opcionais
Vendido

Mercedes-Benz SL63 AMG

Mercedes-Benz SL63 AMG

  • Informações Gerais

    Marca: Mercedes-Benz
    Modelo: SL63 AMG
    Ano Fabricação/Ano Modelo: 2014/2014
    Cor: Branco Polar
    Portas: 2
    Conversível: Sim
    Quilometragem: 12.509
    Dimensões - Comp./Largura/Altura (mm): 4633/1877/1300
    Ocupantes: 2

  • Mecânica e Segurança

    Combustível: Gasolina
    Motor: 5.5L V8 Biturbo - AMG
    Potência: 564 CV
    Velocidade Máxima: 300 km/h
    Câmbio: Automático - 7 Velocidades
    Tração: Traseira
    Controle de Tração/Estabilidade: Sim
    Aceleração 0-100km/h: 4,2 segundos
    Freios: Disco nas 4 Rodas + ABS + EBD + BAS
    Rodas: Liga leve R19 e R20
    Airbag: 4
    Direção Hidráulica: Direção Elétrica

  • Acessórios/Opcionais

    Faróis: LED - Intelligent Light System
    Teto Solar: Sim - Vario Roof
    Bancos: Em couro + regulagem elétrica + memória
    Ar Condicionado: Sim - Automático - Dualzone
    Trio Elétrico (Vidro, trava e espelho elétrico): Sim
    Sistema de Som: Original - Harman/Kardon
    Volante: Comandos do Som + Paddle Shifts
    Computador de Bordo: Sim
    Piloto Automático: Sim
    Camera de Ré: Sim
    Bluetooth: Sim
    Sensor de Chuva: Sim
    Sensor de Estacionamento: Dianteiro + Traseiro + Park Assist

  • Informações Extra

    País de Origem: Alemanha

ATENÇÃO! Devido a grande rotatividade em nosso estoque, se faz necessário a consulta diretamente em nossa loja para certificar de que o veículo ainda se encontra sob nossos cuidados. O valor do anúncio deve ser confirmado, pois o mesmo pode ter sido ajustado em nossa loja e ainda não ter sido modificado neste site. Obrigado pela compreensão. Pastore Car Collection.

Observações

Mercedes-Benz SL63 AMG 2014/2014 na cor Branco Polar. Veículo em estado de zero km com manual do proprietário, chave reserva, APENAS 12.509 km rodados, revisões na concessionária, pacote AMG Driver e acabamentos internos Black Piano Designo combinando com o couro preto.

A indústria automotiva costuma chamar de “crossover” todo carro que reúne características de categorias distintas, mas o termo se aplica a traços de estilo ou de construção. Eu gostaria que a definição fosse mais ampla, tão abrangente quanto “virose” na área médica, pois isso me permitiria chamar este roadster de crossover. Ele traz o que a Mercedes tem de melhor. Anda ao lado do SLS, é instigante como o CLS, tão ágil quanto o C 63, luxuoso como um Classe E e mais caro que o sedã topo de linha Classe S. Não bastassem as credenciais de sua sétima geração, descende do lendário 300 SL, um vanguardista de 60 anos. Ao emprestar as qualidades dos familiares, o SL contraria o dito popular de que quem é bom em tudo não é bom em nada. Definitivamente, esse não é seu caso. Ainda mais quando ele recolhe a capota.

Até aqui as comparações são subjetivas, mas sua ficha técnica e seus testes de desempenho mostram superlativos que o destacam mesmo entre os luxuosos. Meio grandalhão para um roadster (tem 463 cm de comprimento), usa um motor 5.5 V8 com potência de muscle car (564 cv). E, como manda a tradição da categoria SL, é fabricado com materiais nobres e incorpora a última palavra em tecnologia disponível na prateleira da Mercedes.

A carroceria é feita de alumínio, metal que ajudou a reduzir seu peso total em 125 kg em relação à geração anterior. Na versão AMG, parte dessa redução foi obtida utilizando fibra de carbono em peças aerodinâmicas. Na traseira, elementos de reforço estrutural de magnésio atrás do tanque foram moldados para conter o ponteiro da balança sem prejudicar a rigidez torcional da carroceria. O teto também é feito desse material. Pela mesma razão.

Pela primeira vez, a Mercedes adota carroceria de metal leve. Segundo a marca, ela pesaria 110 kg a mais se fosse de aço. Apesar de mais magro, o esportivo está maior em relação ao anterior. Acrescentou 5 cm no comprimento e 5,7 na largura.

Outras tecnologias impensáveis para o SL de 1954 também estreiam no modelo. Em sua sétima geração, é capaz de estacionar sozinho, usando sensores por ultrassom que identificam vagas e comandam o esterço da direção elétrica. A capota rígida que se recolhe em 19 segundos por meio de um mecanismo eletro-hidráulico pode vir com o Magic Sky Control, um teto de vidro transparente que escurece ao toque de um botão. Na SL 63, o item é de série. Aliás, não há opcionais. Outra novidade no carrão é o MagicVision Control, um novo sistema de limpador de para-brisa no qual o fluido não é espirrado no vidro por um jato, mas aplicado por meio de canais no corpo das palhetas. A medida evita sujar o carro à toa e molhar os ocupantes quando a capota está abaixada.

Na mecânica, o comportamento dos amortecedores se adapta ao modo de atuação da transmissão Speed Shift MCT, cujo funcionamento é controlado pelo motorista. No console, um botão alterna os modos Comfort, Sport, Sport+ e Manual, dependendo das intenções e da habilidade do motorista. Em “C”, a suspensão é macia, as acelerações são menos rápidas e quando o carro para em semáforos a função start/stop mantém-se em alerta, desligando o motor para economizar combustível e reduzir emissões de poluentes.

A esportividade é intrínseca ao SL, mas a função “M” multiplica o espírito desportista do roadster. Vale dizer que, para o motorista comum, isso não representa aumento no desempenho. O carro escapará de lado, exigirá correções e aumentará a adrenalina de quem dirige, mas isso não necessariamente resultará em números melhores. O ideal é manter o botão no S ou S+ e curtir a emoção assistida pela eletrônica. A transmissão de sete marchas tem sistema de embreagem multidiscos no lugar do conversor de torque, eliminando os “buracos” entre as trocas e tornando as mudanças de marcha mais ágeis. Na prática, parece que o câmbio lê pensamentos. Na pista, o que você precisa fazer é frear forte antes das curvas e sentir as reduções como se fossem feitas por intervenção divina. Você percebe que o câmbio é um trabalhador eficaz por causa do aumento da rotação em reduções e pelas respostas imediatas ao acelerador nas saídas dos contornos.

A nova geração trocou os conhecidos V8 6.2 aspirados por um V8 5.5 biturbo. A principal vantagem do novo motor é a quantidade medonha de torque entre 2 250 e 2 750 rpm. Com os modos esportivos acionados (são três ajustes), marcamos 4,3 segundos no 0 a 100 km/h. Só para comparar, o Audi R8 GT completou a prova com 4,2, mesmo tempo do BMW M5. Apesar de não ser um ás nas provas de consumo, fez 10,5 km/l na estrada, o que não é ruim para um modelo com ficha técnica exuberante. Ainda sobre os número do motor, ele entrega 564cv nos 5.500 RPM e monstro de 91,8 kgfm a partir dos 2.250RPM.

A lista de equipamentos para quem busca conforto é igualmente rica. Os bancos são de primeira classe, incluindo aquecedor no encosto, memórias de posição e sistema de som da grife Harman Kardon. Ainda no capítulo comodidade, não é preciso usar a chave para abrir o porta-malas. Basta passar os pés embaixo do para-choque traseiro e a tampa se abre. Outro movimento fecha a mala.

Outros veículos sugeridos: